top of page

Biofábrica e parceiros promovem segundo Dia de Campo, em Pau Brasil

Ação do IBC levou mudas de pau-brasil para reflorestamento de área do Rio Água Preta

Últimas Notícias

Baixe o Catálogo de Mudas da Biofábrica

ENVIADA EM: 15/06/2016 10:18HS

O Instituto Biofábrica de Cacau (IBC), por meio do Governo do Estado da Bahia, e os parceiros Consórcio Intermunicipal da Mata Atlântica (CIMA), Prefeitura Municipal de Pau Brasil, Teia dos Povos, Instituto Ecobahia e Instituto Cabruca realizaram o segundo Dia de Campo no último sábado (11), no Acampamento de Reforma Agrária Dilma Rousseff, em Pau Brasil. Cerca de 150 pessoas de comunidades de Arataca, Una, Jussari e Camacã, além de Pau Brasil, participaram da ação, quando foi inaugurado o Bosque Pau Brasil, com o plantio simbólico de mudas disponibilizadas pela Biofábrica.

“Dia de Campo” é um projeto do IBC que começou a ser realizado neste mês de junho, por meio de parcerias com entidades regionais. Ele faz parte do planejamento de 2016 para promoção de extensão com a comunidade rural e os assentamentos rurais vizinhos a Banco do Pedro, em Ilhéus, onde está situado o parque fabril do instituto. A primeira ação foi realizada no dia 4, em Arataca, no Assentamento Terra Vista, com a organização da Teia dos Povos e participação de mais de 400 pessoas, entre agricultores, indígenas, assentados, acampados, professores técnico e universitário e estudantes, além de prefeitos.

Em Pau Brasil, a organização foi feita pelo CIMA. O objetivo foi lançar o Bosque Pau Brasil para promover o reflorestamento daquela área, em torno do Rio Água Preta. “O meio ambiente virou uma causa comum aos seres humanos, porque é uma questão de sobrevivência da raça humana. Sempre exaltamos essa necessidade de amenizar o impacto sobre o meio ambiente e espero que essa célula que estamos iniciando sirva de catalisador para que outros também se interessem em preservar o planeta”, destaca o prefeito de Pau Brasil e vice-presidente do CIMA, Alberto Rocha.

“A degradação do rio é grande e temos iniciado o reflorestamento do seu entorno. Estamos implantando também um museu para conscientizar e comover a população sobre a seca e o desmatamento”, completa o coordenador do Acampamento Dilma Rousseff, Roni Feitosa.

Consciência ambiental

Para o trabalhador rural Gutemberg Amâncio, o Dia de Campo foi um momento de conscientização. “É um importante evento, porque como a mata foi praticamente derrubada, isso tudo serve para ajudar a gente a voltar a como era antes”, disse. Também trabalhador rural, Alberto França frisou: “Essa ação é boa demais, muito importante para recuperar a mata. Nós plantamos o pau-brasil hoje para isso”.

A líder indígena Maria José Muniz – Maya –, coordenadora da Teia dos Povos, realizou uma apresentação cultural. “Sinto a grande riqueza de estarmos todos juntos fazendo esse plantio. Espero que todos tenham esse mesmo pensamento de reflorestar suas regiões para reavivarmos a nossa floresta, porque é uma tristeza não ter água, plantio... Essa parceria está de uma organização riquíssima”, analisou.

“A iniciativa de juntar o CIMA, a Teia dos Povos, Biofábrica e outros parceiros tem uma importância que vai além do plantio simbólico das mudas de pau-brasil. É uma semente para recuperar dois mil hectares de cabruca e implantar 200 hectares de sistema agroflorestal. Começa aí a construção da economia da Mata Atlântica e a Biofábrica tem sido muito importante nesse processo”, destacou o representante do Assentamento Terra Vista, Joelson Ferreira de Oliveira.

Para o secretário de Educação de Pau Brasil, Cleison dos Anjos, o projeto Dia de Campo deve se repetir. “É importantíssimo o evento para criar consciência sobre o que é indispensável, a vida do ser humano. Quando encontramos instituições como a Biofábrica, temos que aproveitar para engajar a população nessa causa”, disse. “Estamos atravessando um caminho de tomada de consciência pelo povo sobre o desenvolvimento rural. Com o apoio do governo do estado e organizações, estamos tratando sobre proteção ao solo e zelo com a Terra. Essa parceria com a Biofábrica tem dado frutos”, salientou o coordenador de Geração de Trabalho, Emprego e Renda de Pau Brasil, Elder Almeida.

“Esse tipo de evento marca as pessoas; se agíssemos com consciência ambiental, nosso país não estaria enfrentando essa crise de água e alimentos. Precisamos entender que não é o sol que está mais quente, mas sim que a terra é quem está cada vez mais descoberta”, completou a secretária de Agricultura de Arataca, Camila Santos Nascimento.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
bottom of page